Religião Fenícia na Baixa Época

Os fenícios chamavam seus deuses de Alonim – plural de EL que significa deus - ou Baalim – plural de Baal, que significa senhor. A denominação Baal além de designar o grande deus Baal dos textos de Ras Shamra era também empregada para designar separadamente os nomes dos deuses de diversos lugares, assim como, Melqart é o baal de Tiro.

Melqart significa o deus da cidade. Os autores gregos e as inscrições bilíngües assimilaram-no a Héracles. Propagado pelos tírios, o culto de Melqart teve adeptos em Chipre, Egito e Cartago.

Dagon era o Baal do litoral fenício. Há relatos desse deus através das histórias de Sansão e era cultuado principalmente em Asdod.

Eshmun, deus de Sídon foi identificado pelos autores gregos com Asclépios.
Em Gebal e em Beirut prestava-se culto a uma Baalat (feminino de Baal). A deusa Gebal, Asthart, era a personificação da fecundidade, deusa da maternidade e da fertilidade, a deusa-mãe.

(Baal e Asthart)

Além de seu deus protetor, cada cidade Fenícia possuía outras divindades nacionais e estrangeiras, principalmente mesopotâmicas, egípcias e gregas. Ao lado do culto aos deuses propriamente ditos, os fenícios veneravam as montanhas, as águas, as pedras e as árvores sagradas. Estas eram consideradas habitações dos deuses.

6 comentários:

Elisa disse...

Muito obrigada!! O seu blog me ajudou a fazer um trabalho sobre a religião Fenícia!! :D

Anônimo disse...

Obrigada eu tinha que fazer um trabalho sobre a Fenicia seu blog me ajudou bastante, muito obrigada

Anônimo disse...

Obrigada eu tinha que fazer um trabalho sobre a Fenicia seu blog me ajudou bastante, muito obrigada

Anônimo disse...

deuses gentiles de las mentes libres

Mary Mary *-* disse...

Valeu amiga!! Obrigada você me quebrou um galho!!:)

Waked disse...

Que feio. Copiado e colado.