Como nasce "Deus"

Mais tarde, para unir o povo e centralizar os poderes religiosos, políticos e militares fundaram a monarquia, período compreendido entre os século X e VII a.C.. Saul foi o primeiro rei hebreu e suicidou-se após uma humilhante derrota. Davi foi seu sucessor e segundo a mitologia matou o gigante Golias com uma pedra. Em 996 a.C. Salomão assume o lugar de Davi. Nesse período os hebreus já possuiam um exercito, administração e um governo centralizado.

Dessa organização surge o que é conhecido como “pacto”, dando realidade a idéia de Israel. O Yaveísmo foi bastante promovido pelo Estado através da corte e do clero que possuíam os recursos necessários para a criação de uma literatura religiosa e ao culto elaborado. Na ideologia do Estado, Iavé foi comparado à realeza, era um que deus que governava Israel com sua corte celestial, possuindo servos, mensageiros, um trono e indumentárias.

Segundo os historiadores é nesse período que elaboram o primeiro decálogo, mais tarde atribuído a Moises, onde encontraremos as antigas concepções do Yaveísmo:


1- Não curvarás a tua fronte diante de nenhum deus estrangeiro.
(isso não se dirigia aos deuses que eles já haviam tomado para si, como os da natureza)
2- Não construirás nenhum deus de metal fundido.
3- Observarás sempre a festa dos ázimos, no mês de nisan (março/abril), para recordar a tua passagem no deserto. (O termo hebraico é pesah, em grego é dito pascha, que se tronou depois páscoa. Relacionava primitivamente à festa do início da primavera.)
4- Todo primogênito é meu: resgatarás com um sacrifício o primeiro parto entre a criação, grande ou pequena, o primogênito entre os filhos. (O sacrifício de crianças não era desconhecido pelo Yaveísmo; sacrificava-se crianças na ocasião da ereção da pedra angular ou no término de uma construção; entretanto, considerando a alta taxa de mortalidade infantil, é possível que as crianças fossem oferecidas já mortas. Outrossim, o sacrifício a Yavé era as rezas)
5- Jamais comparecerás diante de mim de mãos vazias.
6- Três vezes por ano todos os teus filhos homens comparecerão perante o Senhor. (As três festas pastorais da primavera, do verão e do outono)
7- Jamais deixarás correr o sangue da minha vítima diante do pão fermentado. (Lembranças das velhas proibições rituais, ligado ao caráter sagrado do sangue e do lêvedo)
8- Não deixarás para amanhã o consumo de minha vítima pascal. (Para que não se esgote a carga mágica que traz em si todo animal sacrificado aos poderes divinos)
9- Levarás a flor das flores das primícias do solo à casa de Yavé.
10- Não cozinharás o cabrito no leite da sua mãe. (Esta é uma antiga proibição tabu, encontrada, sob uma forma mágica, em uma das lâminas órficas descoberta nos túmulos da Magna Grécia, em Turi, hoje Terra Nova de Sibari, Calábria, século IV a. C.: "Cabrito cai no leite", isto é, estou para me tornar imortal)

Dentre as reformas religiosas a necromancia, a “prostituição” sagrada e a ereção dos Baals (massebah- estátuas dos Baals) foram proibidas, sendo perseguidos e punidos com o morte todos aqueles que desrespeitassem as novas regras, acusados de feiticeiros. Os Baals transformam-se em demônios e seus adoradores perseguidos.

Nenhum comentário: