Outras deidades chinesas

Cada profissão, ofício e trabalho, tinha a sua deidade protetora. Entre todos estes deuses, a tradição popular destacava o deus das letras e da literatura, como o mais importante. Era conhecido pelo nome de Went'chang e, segundo a lenda, antes de chegar a obter a distinção de protetor das letras e da literatura já tinha passado por dezessete existências.

O livro que tinha escrito o próprio deus era, por assim dizer, uma espécie de biografia e nele há relatos sobre as dezessete reencarnações. Também encontravam-se as regras a serem seguidas para agir com moralidade e retidão e, geralmente, se louvava o saber e a inteligência sobre quaisquer outros aspectos.

Mediante o saber e a inteligência se pode superar qualquer obstáculo e, ao mesmo tempo, equilibrar qualquer sofrimento. A sabedoria é como uma espécie de "candeeiro da câmara escura", o que significa que até nos momentos mais difíceis da vida, quando vemos tudo negro, quando nos achamos encerrados na "câmara escura" deste mundo dos mortais, sempre existirá a luz do "candeeiro" que proporciona o saber e a inteligência para, assim, tornar possível uma nova procura, uma solução inédita.
.

Nenhum comentário: